Convocatoria 21ª Bienal de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil | Comunidades imaginadas

ARRIBA: “Nuevas Narrativas – Río Becerra” del Colectivo PANÓSMICO con Lucas Bartholl e Iñigo Malvido.
20/03/2019
Convocatoria Residencias Artísticas Centroamérica y el Caribe 2019 de CCE
25/03/2019

Convocatoria 21ª Bienal de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil | Comunidades imaginadas

Convocatoria 21ª Bienal de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil | Comunidades imaginadas

Convocatoria abierta hasta:  9 de octubre, 2019. 
Convoca
: Associação Cultural Videobrasil
País sede
:  Brasil
Incentivos
: Residencias artísticas y premio de adquisición de 25,000 reales (aprox USD$6,500)
Disciplinas: Videoarte
Pueden participar: artistas de Africa, America Latina, Caribe, Medio Oriente y Oceanía.
Informes[email protected]
Página del organizadorhttp://site.videobrasil.org.br/



El Curso Cómo Armar Tu Proyecto Para Una Convocatoria es una de las recompensas en nuestra nuestra Campaña de Crowdfunding en Patreon.   Inscríbete hoy mismo y ten acceso inmediato AQUÍ. Puedes ver los videos todas las veces que desees mientras participes en la campaña de crowdfunding. 



A Associação Cultural Videobrasil e o Sesc São Paulo convidam artistas do Sul Global, da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e dos povos originários de todos os países para participar da seleção de artistas para a 21ª Bienal de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil | Comunidades imaginadas.

Com o dinamismo que o caracteriza, o Festival chega em 2018 a uma nova fase, com um novo nome: Bienal de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil. Sua 21ª edição se desdobra em três plataformas curatoriais: exposição + programa de filmes, programas públicos e publicação.

Pela primeira vez, a convocatória é publicada junto de um partido curatorial, que orientará o trabalho dos curadores na seleção dos artistas e na elaboração dos programas da 21ª Bienal. Comunidades imaginadas, título desta edição, é ponto de partida para investigar como as poéticas do Sul interpretam a onda nacionalista que vemos propagar-se pelo mundo e como artistas de comunidades sem Estado — sobretudo aqueles provenientes de povos originários — elaboram sua produção simbólica.

Além disso, os artistas selecionados pela convocatória serão acompanhados por artistas convidados pela equipe de curadores. Também oriundos do Sul, esses artistas poderão estabelecer pontos de diálogo com a investigação curatorial proposta. Todos os artistas poderão participar de uma ou mais plataformas curatoriais da edição, sem restrições.

As inscrições, abertas a obras em qualquer linguagem, são gratuitas e devem ser realizadas on-line. Cada usuário poderá inscrever até 05 (cinco) obras, que deverão ser enviadas simultaneamente. A inscrição em Autoria Individual não exclui a possibilidade de inscrição em Autoria Coletiva; basta criar usuários distintos.

As informações inseridas poderão ser salvas e editadas até o aceite do Termo de Compromisso e envio do formulário. Uma vez concluída a inscrição, será gerado um número de protocolo que deve ser guardado pelo artista ou representante do grupo. Um e-mail de confirmação com a ficha de inscrição será encaminhado ao usuário cadastrado.

Leia aqui o partido curatorial da 21ª Bienal de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil | Comunidades imaginadas.

Acesse o edital desta edição. Em caso de dúvidas, escreva para [email protected].


COMUNIDADES IMAGINADAS

Em dezembro de 2017, a Organização Mundial do Comércio, reunida em Buenos Aires, lançou um comunicado em que criticava a “tendência a rejeitar o estrangeiro, o importado, rejeitar o global”, vista na política comercial dos EUA e de outros países associados à OMC. Em abril de 2018, palestinos prepararam uma grande manifestação contra os setenta anos de Israel e da Nakba, enquanto a Itália, a Inglaterra e outros países da Europa veem ressurgir movimentos que reivindicam a herança fascista do continente. Por todos os lados e a partir de diferentes matizes do espectro político, o nacionalismo retorna como tema-chave para a compreensão das disputas que moldam este nosso tempo, deixando no ar a pergunta sobre a duração e o alcance desse novo ciclo regressivo.

Nesse contexto, a 21ª Bienal de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil | Comunidades imaginadastoma de empréstimo o título do clássico estudo de Benedict Anderson sobre o surgimento do nacionalismo para investigar como poéticas oriundas do Sul vêm elaborando o fenômeno. Interessa, no entanto, não nos atermos somente às comunidades imaginadas em torno de Estados-nação e à ressurgência do nacionalismo. Aqui, ultrapassando o partido de Anderson, é pertinente considerar também outras comunidades, criadas por imaginações distintas daquelas que fundaram os Estados nacionais.

Ao estabelecer um chão comum a todas as imaginações comunitárias, o partido curatorial da 21ª Bienalrelativiza, por um instante, as antinomias que até hoje orientaram e fundamentaram as edições passadas do Festival, em nome de um exercício imaginativo de maior alcance. Assim como Pier Paolo Pasolini concebeu um Terceiro Mundo transnacional, que começava nas periferias de Roma e se estendia aos países então incluídos nessa categoria, aqui é possível incluir comunidades que existem às margens dos Estados-nação ou em suas brechas. Contemplamos, desse modo, comunidades de povos originários, organizadas sem ou contra um Estado; comunidades multiespécie, tal como imaginadas pelo perspectivismo ameríndio; comunidades religiosas ou místicas, concebidas a partir de compreensões transcendentes da existência; comunidades divididas por fronteiras desenhadas pelo colonialismo ou refugiadas de seus territórios originais por qualquer motivo; comunidades fictícias, ou utópicas, ou clandestinas, que gerem práticas políticas minoritárias, ou aquelas constituídas nos universos subterrâneos de vivências sexuais e corpos dissidentes, contra-hegemônicos ou não ocidentais.

Em seu livro, Anderson constata que “a condição nacional é o valor de maior legitimidade universal na vida política dos nossos tempos”. Tendo em vista essa afirmação, cumpre questionar-se sobre como operam as simbolizações nas margens dessa “legitimidade universal” política produzida pelas identidades nacionais. Se o partido do Sul trata de investigar a produção simbólica das margens dos discursos hegemônicos do poder, onde se situam as poéticas oriundas da margem da margem? Que centro de poder lhes serve como modelo? Almejam alcançá-lo, como algumas daquelas oriundas do Sul? Espelham-se em alguma história (da arte?), articulam formas de distinção? Em nome de que esses homens e mulheres continuam a simbolizar, a despeito de tudo? Que línguas e que linguagens a imaginação dessas comunidades sem Estado mobiliza? Sem abandonar a ambição panorâmica do evento nem seu habitual foco geopolítico, esta edição pretende alargar o repertório de questionamentos que orientam nosso trabalho, buscando, com isso, ampliar a diversidade das vozes que ouvimos.


Súmate a nuestra Campaña de Crowdfunding en Patreon y se parte de la gran comunidad de artistas.   Como recompensa obtienes acceso a: 
*Curso Cómo Armar Tu Proyecto Para Una Convocatoria, 
*Video entrevistas con jurados de las convocatorias, 
*Podcast,  *Otros cursos para gestionar mejor tu carrera en las artes, 
*Asesorías personalizadas y otros según el nivel en el que participes. 

Instrucciones: 
1º) Abre tu perfil (con Facebook es más sencilla), 
2º) selecciona el nivel a participar, 
3º) ingresa tus datos de facturación, 
4º) acepta participar y listo. Ya tienes acceso a las útiles recompensas que tenemos para ti. 
Así de fácil. 

Inscríbete hoy mismo AQUÍ. CÍRCULO A beneficia a todos.
Equipo CirculoA
Equipo CirculoA
Equipo editorial y de investigación de CÍRCULO A Información de Arte Contemporáneo en Iberoamérica
Recibe la Cartelera Gratuita de Convocatorias